Durante sua participação na segunda edição da Câmara Nacional do Conselho Federal (CFMV) que está sendo realizada no Rio de Janeiro, o presidente do CRMV-PE, o Dr Marcelo Teixeira, assinou, junto com todos os colegas, coletivamente, uma nota em defesa da qualidade do ensino da Medicina Veterinária e da Zootecnia. No documento, os presidentes expressam a profunda preocupação quanto a eficiência do ensino das profissões na modalidade EAD, ou seja, ensino à distância.
De acordo com os presidentes, ambas as profissões precisam de formação técnica e prática, sendo obrigatório que as instituições de ensino superior vinculadas ao exercício da Medicina Veterinária e da Zootecnia ministrem seus conteúdos nesse formato. Principalmente em áreas como saúde animal, clínica médica e cirúrgica, medicina veterinária preventiva, saúde pública, zootecnia, produção animal, inspeção, tecnologia de produtos de origem animal e nutrição animal. De acordo com o documento assinado coletivamente, todas essas disciplinas devem ser ministradas exclusivamente sob a modalidade presencial.
Paralelamente à questão dos conteúdos teóricos e práticos, o estágio curricular é outro ponto que precisa ser debatido, pois, turmas em EAD inviabilizam estágios com supervisão acadêmica e de campo articuladas. Sobre esse impasse, os presidentes ressaltam que a supervisão e a orientação para os estudantes são habilidades diretamente relacionadas com o perfeito cuidado dos animais e seus produtos, sendo necessária a atenção de um tutor.
“No papel de órgão de orientação, fiscalização e regulamentação profissional, que apoia e dá suporte à formação de excelência dos profissionais, além de defender os interesses da classe e da sociedade nos assuntos relativos à Medicina Veterinária e Zootecnia, o sistema CFMV/CRMVs está em total desacordo com a homologação dos cursos nessa modalidade, prevendo que os profissionais egressos não estarão devidamente preparados para a prática dessas profissões que lidam, de diversas formas, com a saúde pública”, explica Marcelo Teixeira.
Assim, em defesa da qualidade do ensino, o documento assinado coletivamente será entregue nas mãos do Ministro de Estado da Educação, Rossieli Soares da Silva, solicitando a não autorização de cursos de Medicina Veterinária e Zootecnia na modalidade EAD.